Colunista: Paola Simão fala sobre a Indonésia

BODYBOARDING


Com 17 mil ilhas e aproximadamente 250 milhões de habitantes, o arquipélago Indonésio, é na atualidade o lugar no mundo mais procurado pelos surfistas e exploradores de aventuras e belezas naturais.Com uma diversidade imensa de bancadas de corais, ondas para todos os lados, com formações e tamanhos para ninguém colocar defeito, a Indo (como também é chamada pela maioria dos surfistas) possui uma enorme variedade na parte hoteleira, que vai de resorts luxuosos de arquitetura incomparáveis à simples acomodações que atendem todos os gostos e bolsos. Dona de uma culinária espetacular e uma cultura rica em tradições e conhecimentos antigos, tem a religião mulçumana como predominante e em algumas ilhas, como Bali, o hinduísmo.

Com seu clima quente e úmido que varia de 25 a 35 graus o ano inteiro, esse pedacinho de paraíso na Terra, tem uma energia acolhedora e única, que atrai turistas do mundo todo de janeiro à janeiro. Com seu rápido crescimento, centenas de pessoas viram dali um potencial incrível de business e o life style dos sonhos. Devido a esses fatores, muitos atletas passam a maior parte do ano, se dedicando a uma temporada digna de um surf perfeito. Existem também, aqueles que decidiram mudar de vez para a ilha dos Deuses e seus arredores mais remotos, em busca de ondas clássicas e isoladas.

No bodyboard, não foi diferente. Desde a década de 80, atletas brasileiras como Stephanie Pettersen, Leila Alli, as irmãs Mariana e Isabela Nogueira, France Hazar, Karla Costa, dentre outras, já se jogavam ao redor do mundo em busca dos tubos cristalinos, e claro que Indonésia não poderia ficar de fora. Uma das primeiras atletas brasileiras a mudar de vez para Bali, foi a bodyboarder Karina Mattos, que no ano 2000, decidiu fincar sua base por lá. A partir de então, criou eventos para promover a modalidade em diversos lugares, como Gland (Java), Rote (Timor leste) e Mentawais, introduzindo de fato a modalidade no país. Com o passar dos anos, foi notória, a presença de novas bodyboarders de alto nível , viajantes do mundo , que fizeram de lá seu local predileto de treinos intensos. As atletas Samantha Moreno, Rebeca Barros, Tatiane Puccinelli, Paola Simão (eu), Vica Moraes, Gabriela Scarabuci, Roberta Soares, são algumas das brasileiras que há mais de uma década trocam qualquer lugar do planeta para explorarem e evoluírem seu surf nos canudos indonesianos.

Com muita historia para contar, de alegrias e perrengues, momentos mágicos e históricos, essas guerreiras não escondem a saudade que tem da sua terra natal, mas assumem com precisão, que por amor ao esporte, fizeram dele sua prioridade de vida. "Morava no Hawai e vi a onda de Uluwatu em um vídeo e decidi vir conferir de perto, quando cheguei aqui, eu fiquei apaixonada pelas ondas, pelas pessoas, pela cultura e pelo estilo de vida, que era como uma cidade de interior com ondas perfeitas e desde então não sai mais daqui..” afirma Karina.

" Eu vivia entre Hawai e Indonésia, de acordo com a temporada. Mas logo na primeira vez que vim, me apaixonei pelo povo, pelas ondas e a cultura. A energia flui equilibrada sem agressão, eu sinto que aqui é o meu lugar... " finaliza Samanta Morena, proprietária do Asu Surf Camp, no norte da ilha da Sumatra. Realmente a Indonésia é viciante, quanto mais você freqüenta, maior e vontade de explorar e viver com intensidade as experiências que só lá proporciona. Confira a galeria de fotos das bodyboaders em ação.

Apoios Paola Simão: @kpaloa, @brazinco, @purosuco @asucamp @akemibikinis

Comentários