Blog do Rico - Mais de 3 milhões já viram o Museu do Surf Rico no AquaRio

Museu do Surf Rico mostra a história do surf no Brasil e no mundo para a população que visita o AquaRio, o maior aquário da América do Sul.


AquaRio chega à marca de 3.000.000 de visitantes.

AquaRio chega à marca de 3.000.000 de visitantes.




Aloha amigos,

O Museu do Surf Rico vai completar três anos de parceria com o AquaRio, o maior aquário da América do Sul. Eu tive a ideia dessa parceria e conversei com o Marcelo Szpilman, Diretor Presidente do AquaRio, que topou incluir o museu no projeto. O museu tem peças que eu coleciono há mais de 35 anos. São muitas pranchas e fotografias que contam a história do surf no Brasil e o mundo. Eu já fiz muitas exposições em shoppings da cidade do Rio de Janeiro, mas não tínhamos um local fixo, e eu sempre achei importante divulgar e mostrar a cultura do nosso esporte.

No mês passado o AquaRio chegou à marca de 3 milhões de visitantes, e consequentemente essas três milhões de pessoas passaram pelo Museu do Surf. Então eu fico muito orgulhoso em poder dar essa contribuição, em mostrar a nossa cultura.

Museu do Surf Rico. Foto: divulgação.

Museu do Surf Rico. Foto: divulgação.



O Museu do Surf Rico tem as pranchas chamadas de Cavalo de Totora, usadas no início do esporte por pescadores peruanos que no retorno para a praia surfavam para sair do mar. Essa foi a primeira maneira de ficar em pé numa onda. Temos também pranchas havaianas, pranchas de madeira, os famosos pranchões que surgiram na Califórnia e na Austrália, a São Conrado, do Coronel Parreira, que faz parte da história brasileira. O Coronel Parreira acrescentou muito na fabricação de pranchas aqui no Brasil e serviu de exemplo para diversos fabricantes.

Seguindo a história, temos as mini models, que eram de apenas uma quilha, as monoquilhas, a biquilha que veio em 78 com o tetracampeão mundial Mark Richards, a triquilha que surgiu com o australiano Simon Anderson em 81 e muito mais. No AquaRio tem cerca de 60 pranchas e muitas fotografia que narram a história do surf no Brasil e no mundo.

Museu do Surf Rico. Foto: divulgação.

Museu do Surf Rico. Foto: divulgação.



Eu também coloquei no Museu a prancha que eu aprendi a surfar, uma madeirite que consegui comprar juntando o chumbo das construções no Leblon que eu vendia nas lojas Ipiranga. Eu também vendia jornais pra juntar dinheiro e consegui comprar a minha prancha. No acervo também tem pranchas dos nossos campeões mundiais Gabriel Medina e Adriano de Souza, do campeão mundial de ondas grandes Carlos Burle, do Picuruta Salazar e de outros grandes nomes do nosso esporte. É uma história muito rica que a gente pode passar para a população.

Eu também tenho um trabalho social que faço junto com a UPP do Morro dos Prazeres, e nesse trabalho eu já levei grupos de crianças carentes para conhecer o Museu e o AquaRio.

Agradeço ao Marcelo Szpilman por essa oportunidade!

Aloha e boas ondas,

Rico de Souza

Comentários