O boom do mercado das viagens de surfe para mulheres

Quem pensa que elas querem surfar sempre as mesmas ondas, está totalmente enganado


O número de praticantes de surf no Brasil não para de crescer. Basta frequentar qualquer praia do nosso litoral para notar que cada vez mais pessoas estão adotando esse esporte como um lifestyle. Afinal, surfar é muito mais do que subir em uma prancha e dropar uma onda. O surf é um estilo de vida, onde a conexão e o respeito à natureza estão no centro de tudo. Além disso, quem surfa também costuma ter um espírito desbravador, sempre buscando viajar para conhecer novos lugares com ondas perfeitas.

BBQ Only Girls. Foto: Moana Filmes.

BBQ Only Girls. Foto: Moana Filmes.



Essa atividade física, antes altamente relacionada ao universo masculino, explodiu há alguns anos entre as mulheres. E quem pensa que elas querem surfar sempre as mesmas ondas, está totalmente enganado. A prova disso é o sucesso da Barca da Bruna Queiroz, projeto pioneiro no Brasil em organizar viagens internacionais de surf exclusivamente para elas. A BBQ Only Girls foi criada pela surfista profissional Bruna Queiroz, que sempre acreditou no seu sonho de transmitir a outras meninas a felicidade que o surf proporciona.

A procura por surf trips femininas é cada vez maior. "Começamos em 2012 e, no início, tínhamos uma média de 5 viagens anuais, mas só em janeiro desse ano, já temos 5 grupos fechados para El Salvador, Costa Rica e Nicarágua. E essa é só a agenda do primeiro semestre. Temos novidades para 2018, como o lançamento das trips para outros continentes", afirma Bruna, turismóloga e Surf Head Coach da BBQ Only Girls. Inclusive, ela vê o recente aparecimento de outras organizadoras de surf trips para mulheres como a confirmação do crescimento e consolidação do mercado do surf feminino no Brasil, que sofre há anos com a falta de investimento.

As meninas que vão para as viagens têm vidas e idades bem diferentes umas das outras. São profissões distintas, mas com o amor pelo surf em comum. Elas são médicas, executivas, policiais, biólogas, estudantes e até atrizes, como Danielle Suzuki. Dani participou da última BBQ Only Girls de 2017 e foi para Nicarágua melhorar sua técnica com as dicas da Coach Bruna, que auxilia as participantes dentro e fora da água, analisando as imagens de todas as quedas - tudo registrado pelas lentes da sua parceira, Moana Filmes.

Outros dados demonstram a variedade do perfil das surfistas. Um mapeamento feito pela BBQ Only Girls mostra que mulheres de todas as idades buscam surfar ondas perfeitas em lugares paradisíacos. Entre as mais de 100 surfistas que já participaram de alguma surf trip do projeto, 15% tem de 15 a 20 anos, 28% de 21 a 30, 48% tem idade entre 31 e 40 anos, 6% de 41 a 50 anos e 3% estão acima dos 51 anos.

Bruna, que é surfista profissional desde 2003 e já fez mais de 50 surf trips pelos 5 continentes, conta que o mais legal das viagens é que todas as modalidades de surf já estiveram presentes nos grupos. "A maioria (75%) surfa de pranchinha, mas também temos 11% que pegam onda de longboard, 10% de bodyboard, 3% de stand up e 1% com funboard."

Outro dado interessante é que não importa o nível de habilidade das meninas, todas querem participar da barca. De acordo com a pesquisa feita pela BBQ Only Girls, entre as surfistas que já viajaram com Bruna, 29% são iniciantes,  28% são consideradas com nível intermediário, 42% são avançadas no surf e 1% são surfistas profissionais.

O objetivo da BBQ Only Girls é continuar incentivando cada vez mais meninas a se apaixonarem pelo surf e pelo que ele representa, como o respeito e preservação ao meio ambiente, compartilhando valores e momentos inesquecíveis entre amigas, sempre na busca das ondas dos sonhos mundo afora.

Todas as informações sobre as próximas trips estão no site www.bbqonlygirls.com.br.

Comentários