Boost Mobile Pro - Caroline Marks faz história e vence na Gold Coast aos 17 anos

Norte-americana conquista primeiro título da carreira em sua primeira final do CT.


17 anos, 2ª temporada no CT, primeira final; Caroline Marks, após eliminar gigantes consagradas do surfe competição, conquistou sem primeiro título do CT, ao derrotar a tri-campeão mundial Carissa Moore, surfando com propriedade e muita consistência. No caminho até a final, a jovem norte-americana ainda passou pela multicampeã mundial Stephanie Gilmore.


Uma conquista para guardar para sempre. Foto: WSL / Cestari.


Logo após as quartas de final do masculino, por volta das 8h30 da manhã na Austrália, as quatro semifinalistas do Boost Mobile Pro iniciaram os combates em Duranbah. 

As ações começaram
com um confronto Goofy x Regular. Caroline Marks (EUA), a sensação do CT feminino desde o ano passado, e a havaiana Malia Manuel, que vinha fazendo um dos melhores surfs de frontside do evento, mediram forças nas ondas de até 1,0 metro no pico.

Em mais um outro disputado confronto, assim como foi nas baterias anteriores do masculino, a jovem realidade norte-americana mostrou sua fluidez e força de backside e venceu a bateria. Caroline acabava de se classificar para sua primeira final de uma etapa do CT.


Caroline Marks e seu backside mortal. Foto: WSL / Cestari.


Na sequência, a local e ex-campeã de Snapper, Sally FItzgibbons, encarou uma campeã mundial de peso, Carissa Moore, em mais um duelo de uma rivalidade que vem de anos.

Carissa começou com a melhor onda do heat, um 7.17. Mas logo Sally, com notas 6.00 e um pequeno 2.83, passou a liderar o confronto até os 10 minutos finais.

Só que logo em seguida, Carissa foi para a sua 2ª onda, outra direita, linkou bem as manobras e voltou a liderar, agora com uma boa vantagem, ao receber um 4.17, deixando Sally na dependência de pelo menos um 5.35 para virar, faltando sete minutos para o fim.

Sally ainda tentou nos minutos finais, mas a onda não ofereceu muito e, com apenas um 3.87, ficou sem tempo de conseguir a reação e a vaga na final.


Carissa Moore mostra seu conhecido surfe. Foto: WSL / Cestari.

Carissa Morre se classificava e se credenciava para enfrentar Caroline Marks, de apenas 17 anos e em seu segundo ano no CT.

GRANDE FINAL - A final começou num momento do mar que o vento já começava a atrapalhar a formação das ondas. Ainda assim, havia boas oportunidades espalhadas por Dbah.

Carissa Moore abriu com uma nota 5,00, após uma esquerda de backside; depois aumentou com um 4.80. Mas aí Caroline tomou a liderança quando tirou notas 6.50 e 4.63, ambas soltando o pé de backside.

A havaiana conseguiu achar uma intermediária, recebeu 5.33 dos juízes e voltou a liderar a final.

Acontece que Caroline Marks e seu backside estavam muito conectados com as direitas de Dbah. A norte-americana mandou água pros céus e fez um 7.33 para, novamente, liderar a grande final.


Caroline Marks. Foto: WSL / Cestari.

Faltavam pouco mais de 10 minutos e Carissa precisava de um 7.83. O jogo ainda estava em aberto. Quem diria que uma jovem surfista de apenas 17 anos surgiria dessa forma, já dando um sufoco desse tamanho em campeãs mundiais.

Os segundos não paravam de contar e Caroline defendia sua posição no lineup. A prioridade era de Carissa e ambas usavam todas as estratégias disponíveis para chegar ao título da 1ª etapa do ano.

Aos 45 segundos do fim, Carissa veio numa pequena e balançada direita. A havaiana surfou bem, colocou pressão nas manobras, mas não era o suficiente para a nota que precisava.

Com 17 anos, em seu 2º ano no CT, Caroline Marks, em sua primeira final na elite, venceu o Boost Mobile Pro, na Gold Coast, e largou na liderança da temporada 2019.

Que feito e que história! Olho nela, que está apenas começando. Normalmente quem larga na frente na Goldie, chega forte para o título mundial. Sem pressões exageradas para quem tem tão pouca idade, mas é um potência e tanto.

Comentários