Colunista Gustavo Franck: os vizinhos do norte

Os vizinhos do norte Em tempos de pausa nas disputas do CT e com o surf tendo suas atenções voltadas para Punta Rocas


Os vizinhos do norte Em tempos de pausa nas disputas do CT e com o surf tendo suas atenções voltadas para Punta Rocas (com falta de astros) e Huntington Beach (com falta de ondas), é hora de música. E já que é clima de Jogos Panamericamos, porque não dar um check nos astros de um país que sempre esteve presente na cena musical, mas sem chamar tanto assim a atenção: o Canadá. Afinal, não é de hoje que contribuem com o cancioneiro pop mundial de forma significativa.

Chloe foi Medalha de Ouro em Punta Rocas -  Foto: divulgação

Ainda na década de 1960, Neil Young já aparecia como um dos protagonistas do incensado grupo estadunidense Buffalo Springfield, capitaneado por Stephen Stills e importante nome da cena folk-rock californiana. O clássico “For What It’s Worth” foi tema de uma penca de trilhas de filmes, clipes e comerciais. A dupla voltaria a se reunir alguns anos mais tarde no antológico quarteto Crosby, Stills, Nash and Young, sedimentando definitivamente o nome de Neil entre os grandes da música mundial. Aliás, um dos grandes sucessos do CSNY também veio por mãos canadenses: “Woodstock”, composto em homenagem ao festival de música homônimo é de autoria de Joni Mitchell, que ao lado de Diana Krall forma a dupla de ouros das vozes femininas do país da guarda montada.


Neil Young - Foto: reprodução

Mais ou menos ao mesmo tempo em que o Buffalo Springfield fazia a cabeça da galera flower power, o The Band estourou com o disco Music from the Big Pink. O duplo, lançado no verão de 1968 e tendo “The Weight” como faixa de trabalho (eternizada no clássico da contra cultura Easy Rider, estrelado por Peter Fonda e Dennis Hopper) chamou a atenção de nomes do peso de Bob Dylan e Eric Clapton. A banda de multi instrumentistas manteve-se na estrada até 1976, quando um mega concerto batizado como “A última valsa” decretou seu fim. Promovido no dia de Ação de Graças, com direito a participação de uma penca de estrelas (Clapton e Dylan, claro!) e banquete para 5.000 pessoas, “The Last Watz” (título original) ainda virou álbum triplo e documentário, pelas mãos de Martin Scorsese.

Cena clássica de Easy Rider -  Reprodução Internet

Os anos seguintes continuaram a gerar expoentes diversos, desde os competentes Bachman-Turner Overdrive (e o irresistível riff de Hold Back the Water) e Rush (do cracaço Neil Part), aos pra lá de discutíveis Bryan Adams, Céline Dion, Avril Lavigne e Crash Test Dummies. Na alegria ou na tristeza, os astros canadenses sempre foram figurinhas carimbadas nas paradas de sucesso. Chegando aos tempos atuais, o Grande irmão do Norte demonstra sua força através de um interessante momento criativo, com alguns dos melhores nomes da cena indie rock e bebendo na fonte do que há de melhor na história da música jovem.


Avril Lavigne - Reprodução

Da Columbia Britânica, no extremo oeste do país, nomes como Daniel Wesley e Current Swell são os destaques. Daniel flerta abertamente com o reggae e com um pop mais praiano, fazendo-se soar algumas vezes como Jack Johnson, porém sendo bem mais profundo e diversificado nas suas variações musicais do que o músico havaiano. Já o Current Swell é figurinha carimbada dos filmes de surf, tendo inclusive se apresentado por aqui, no Circo Voador. Seu som apresenta grande afinidade com um rock mais rural, típico da década de 1970 na costa oeste dos EUA. Prova disso são as constantes presenças dos violões de aço e Weissenborn (muito usado também por Ben Harper).

Daniel Wesley - Foto: divulgação

Indo em direção ao centro do país encontramos o The Sheepdogs, que também prega na cartilha de que a novidade está no passado. Nesse caso, a fonte de inspiração verte direto do chamado Southern Rock, gênero que mescla rock, blues e country e que tem como expoentes The Allman Brothers Band, Lynyrd Skynyrd, Creedence Clearwater Revival e mais recentemente, os Black Crowes. Apesar de não ter a mesma excelência instrumental dos predecessores, o quinteto esbanja em criatividade melódica e diversidade de abordagens, soando mais leve ou pesado, lento ou acelerado faixa a faixa.


O clássico 'Amorica" do The Black Crowes -  Foto: reprodução Internet

Finalmente chegamos ao City and Colour, projeto do guitarrista Dallas Green e que tem uma pegada bem mais urbana e contemporânea, lembrando em alguns momentos os estadunidenses do Ben Folds Five, mas com mais peso e presença instrumental. Em suma, seja qual for a sua onda musical, vale um confere nesses nomes. Pro surf ou pro relax.

 

The Band: https://youtu.be/sjCw3-YTffo

Daniel Wesley: https://youtu.be/BBbQRR3R0Go

The Sheepdogs: https://youtu.be/afqNsnyWMHg

City and Colour: https://youtu.be/EN43wIviZaM

 

Comentários