CT França 2018 - Medina assume a liderança; Julian vence a etapa

O campeão mundial de 2014 chegou nas semifinais e ultrapassou o também brasileiro Filipe Toledo no ranking


Gabriel Medina não venceu novamente na França, mas mais uma vez teve o que comemorar após a primeira das duas etapas da perna europeia. O campeão mundial de 2014 aproveitou a brecha deixada pelo então líder do ranking, Filipe Toledo, chegou nas semifinais e assumiu o topo da lista dos melhores do CT 2018.

Gabriel  Medina. Foto: WSL / Poullenot.

Gabriel  Medina. Foto: WSL / Poullenot.



Filipinho se despediu precocemente da prova, no round 3, e viu seu principal adversário na briga pelo título mundial da temporada ir passando as fases até chegar na semi, e conquistar os pontos suficientes para se tornar o atual número 1. Mas Medina queria mais, porém Julian Wilson atrapalhou os planos do brasuca ao conquistar a única nota 10 do evento com um aéreo full rotation que teve aterrissagem perfeita e na base da onda.

A bateria entre eles foi uma das melhores de todo o evento. Nas ondas que em alguns momentos passaram de 1,5m em Culs Nus, Hossegor, os dois pegaram muitas esquerdas. Medina largou na frente, mas mais pro meio do duelo Julian acelerou e voou alto de backside e acertou a super manobra. Os juízes não tiveram dúvidas e soltaram a primeira e única nota 10 do evento, dada de forma unânime.

Julian Wilson. Foto: WSL / Poullenot.

Julian Wilson. Foto: WSL / Poullenot.



A partir daí eles surfaram uma onda atrás da outra. Muitas ruins, mas outras com potencial, tanto que trocaram notas. Numa delas, Medina voou duas vezes pra tentar buscar os 9 pontos que precisava. Porém na onda de trás Julian aumentou a distância e a nota para as decolagens do brasileiro foi 7,77 pontos.

Esse foi mais um bom resultado de Gabriel Medina na França. Ele já venceu três vezes essa prova, além de ter sido vice noutras duas ocasiões. A primeira vitória rolou logo em sua estreia no grupo de elite, no ano de 2011, e numa final contra Julian, que o eliminou nessa edição de 2018.

Final

A final foi equilibrada e teve o algoz de Filipinho, o australiano Ryan Callinan, um dos grandes destaques de toda a competição, na frente até perto do fim. Julian precisava de mais de 7 pontos e mais uma vez surfou sobre o lip da onda para arrancar 8,67. Ryan não teve mais chances e ficou com o vice da etapa francesa.

Ryan Callinan. Foto: WSL / Masurel.

Ryan Callinan. Foto: WSL / Masurel.



Ranking

Com a vitória Julian não saiu da terceira posição, mas se aproximou de seus adversários. A situação dele não é fácil de reverter, pois o australiano já ficou duas vezes em 13º e uma em 25º, então vai ter em seu ranking final um resultado considerado ruim para quem deseja ser campeão mundial. Já o agora líder, Medina, tem como piores resultados um 9º e um 13º e Filipinho, agora vice-líder, tem dois 13º. Todos os outros resultados desses dois brasileiros são de quinto pra cima.

Sem contar os possíveis descartes, Medina está praticamente empatado com Filipinho (51.770 a 51.450) e Julian está um pouco atrás (47.125). Já Italo Ferreira, que permanece na quarta posição, está muito longe dos líderes (33.490).

Adriano, Willian e Michael nas finais

As disputas masculinas neste último dia da competição tiveram início com o Round 4. Na segunda bateria da fase dois brasileiros foram pra água, porém quem levou a melhor foi Ryan, que destruiu três ondas, colocando em seu somatório 9,43 e 9,10 pontos, além de descartar 8,57. Adriano de Souza avançou em segundo lugar, tendo uma boa escolha de ondas. Já Willian Cardoso ficou pelo caminho.

No duelo seguinte mais dois brasileiros, porém o vencedor também foi um australiano. Mikey Wright foi criterioso na escolha das ondas e venceu Medina por muito pouco (13,96 a 13,90). Dessa vez o eliminado foi Michael Rodrigues, que surfou muitas ondas, mas o máximo que conquistou foi 3,70 em sua melhor apresentação.

Adriano de Souza. Foto: WSL / Masurel.

Adriano de Souza. Foto: WSL / Masurel.



As quartas começaram com Adriano e Conner Coffin, norte-americano que achou as ondas e venceu. O campeão mundial de 2015 não entrou em sintonia com o mar francês nesse confronto, porém a quinta colocação foi o seu melhor resultado na temporada.

Ainda pelas quartas Ryan voltou a aprontar e mandou pra casa o sul-africano Jordy Smith; Julian bateu seu conterrâneo Mikey e Medina superou o havaiano Sebastian Zietz numa bateria sem momentos marcantes.

Feminino

Entre as meninas quem voltou a brilhar foi Courtney Conlogue. A norte-americana que ficou de fora de 4 etapas por causa de uma lesão se deu bem e na final não deu moleza para a australiana Macy Callaghan: 14,76 a 10.96.

A briga pelo título mundial feminino vai para a última etapa que acontece em Maui, no Hawaii. Vai ser lá que a australiana Stephanie Gilmore (1ª) e a norte-americana Lakey Peterson (2ª) vão lutar pelo caneco de melhor do mundo. A brasileira Tatiana Weston-Webb caiu nas quartas para a também aussie Bronte Macaulay e permanece na terceira posição no ranking, mas sem chances de título mundial.

Courtney Conlogue. Foto: WSL / Masurel.

Courtney Conlogue. Foto: WSL / Masurel.



Próxima etapa

Agora o circuito da elite vai para Portugal. A etapa que rola em Peniche começa já na próxima terça-feira, dia 16, e tem até o dia 27 para ser finalizada. Gabriel Medina vai defender o título da prova.

Veja os RESULTADOS DA ETAPA e o RANKING MASCULINO e o RAKING FEMININO.

Comentários