CT Portugal 2017 - Medina dá o troco em Julian e fatura a etapa

Brasileiro venceu pela segunda vez no ano e colou no líder do ranking John John


Gabriel Medina acaba de vencer o CT Portugal 2017 em cima do australiano Julian Wilson. Numa final tensa e com viradas, o brasileiro conquistou sua segunda vitória no ano, deu o troco em Julian e vai para a última etapa no Hawaii como vice-líder do ranking, na cola de John John Florence.

Gabriel Medina. Foto: WSL / Poullenot.

Gabriel Medina. Foto: WSL / Poullenot.



Medina e Julian já tinham se encontrado em outras quatro finais, e nas últimas três o australiano havia levado a melhor. No mesmo país Portugal, em 2012, a derrota do brasileiro foi muito contestada. Depois Julian superou Medina no Pipe Masters de 2014 e na etapa do Tahiti deste ano. A vitória de Medina sobre o australiano numa final foi na França em 2011.

Na finalíssima de hoje, Medina surfou 14 ondas, a maioria ruim ou com erros em tentativas de aéreos. Mas com um tubo rápido numa esquerda da série largou na frente. Na sequência ainda voou para deixar Julian na necessidade de 9,51 pontos para reverter o resultado, mas ainda restavam mais de dez minutos para o fim.

Gabriel Medina. Foto: WSL / Poullenot.

Gabriel Medina. Foto: WSL / Poullenot.



O australiano então deu uma rabetada e diminuiu a diferença, e quando restavam cinco minutos, o brasileiro, que estava na prioridade, deixou uma esquerda para Julian que pegou um tubo, deu uma batida e virou. Medina manteve a calma e perto do minuto final voou e rasgou para voltar a liderança. Depois decolou novamente e confirmou a vitória que o deixa a apenas 3.100 pontos do havaiano John John Florence no ranking.

O caminho não é tão fácil, pois John John domina a onda de Pipeline, onde acontece a última prova do tour, porém o havaiano ainda não tem resultados expressivos nessa etapa da elite. Em competições do QS John John já venceu várias vezes na Rainha do North Shore. Já Medina foi finalista nos anos de 2014 e 2015, quando perdeu para Julian e Adriano de Souza, respectivamente.

Contas para o título mundial

- JJ sendo eliminado no round 2 ou no round 3 do Pipe Masters
Medina leva o campeonato com um 5º lugar (quartas de final), desde que Jordy Smith não chegue na final

- JJ sendo eliminado no R5
Medina leva se chegar a final

- JJ sendo eliminado nas semifinais
Medina só leva se ganhar a etapa

 Se JJ chegar à final já é campeão

Julian Wilson. Foto: WSL / Poullenot.

Julian Wilson. Foto: WSL / Poullenot.



O caminho de Medina até a final

Medina nas quartas não teve muito trabalho contra o australiano Mick Fanning. O brasileiro começou forte, com duas notas médias, e o tricampeão mundial não achou em momento nenhum ondas no mínimo razoáveis. Medina abriu com uma esquerda que teve uma batida forte além de uma rabetada e depois voou rodando de backside numa direita.

A semi foi parecida. Medina abriu com um bom tubo numa esquerda e mais pro meio da bateria executou um aéreo rodando também numa canhota, enquanto seu adversário, o norte-americano Kanoa Igarashi, estava perdido no line up. No final Kanoa tentou voltar pra briga e até acertou um ollie up, mas como estava precisando de quase 10 pontos para vencer acabou eliminado.

Gabriel Medina. Foto: WSL / Poullenot.

Gabriel Medina. Foto: WSL / Poullenot.



O caminho de Julian até a final

As quartas de finais começaram com Julian e Sebastian Zietz. A bateria foi fraca de ondas e de performances. O havaiano fez a maior nota, com um tubo numa direita, e nos segundos finais tinha a prioridade e precisava de apenas 2 pontos. Ele remou numa direita, acertou uma rasgada um pouco lenta e na segunda forçou mais a prancha para dentro da onda e a prancha acabou presa na espuma. A nota 1,70 colocou o australiano nas semifinais.

Na primeira semifinal Julian e o norte-americano Kolohe Andino começaram acelerados. Kolohe abriu os trabalhos com um bom tubo numa direita e Julian deu o troco com um tubo e uma batida forte numa esquerda. Na sequência o australiano voou alto numa direita e deixou o norte-americano precisando de 8,01 pontos para reverter o placar. Restavam ainda 20 minutos e dali até o final nenhum dos dois conseguiu achar ondas com potencial para boas notas.

Julian Wilson. Foto: WSL / Poullenot.

Julian Wilson. Foto: WSL / Poullenot.



Kolohe elimina John John

O líder do ranking se despediu da prova nas quartas de finais. Pareceu que a magia do atual melhor do mundo acabou nessa fase. John John Florence, que antes achava e saia de tubos profundos em Supertubos, nessa bateria não encontrou nada com potencial de boas notas e foi eliminado precisando de uma combinação de notas para vencer.

Kolohe Andino começou forte com um tubo numa direita da série e depois complicou de vez o caminho do havaiano com uma batida e um aéreo de frontside. Placar final: 14,00 a 3,80 pontos.

Kolohe Andino. Foto: WSL / Poullenot.

Kolohe Andino. Foto: WSL / Poullenot.



Duelo dos desesperados

Kanoa Igarashi e Miguel Pupo se encontraram nas quartas de finais. Os dois lutam desesperadamente por bons resultados para se reclassificarem para a elite em 2018. Quem vencesse ficaria na frente do outro no ranking. A disputa foi parecida com outras de hoje, com as primeiras ondas sendo as decisivas e com muito tempo sem ação ou com surf em ondas ruins. Os surfistas pegaram bons tubos, mas Kanoa pegou dois e Miguel apenas um e o norte-americano avançou.

Miguel Pupo. Foto: WSL / Poullenot.

Miguel Pupo. Foto: WSL / Poullenot.



Última etapa

A etapa que vai definir o campeão mundial de 2017 acontece em Pipeline, no lado norte da ilha de Oahu, Hawaii, entre os dias 8 e 20 de dezembro.

Em breve o ranking atualizado após a etapa de Portugal

Comentários