Tóquio 2020: brasileiro será diretor de provas na estreia do surfe nos Jogos

OLIMPÍADAS


 

 


Bukão -  Foto: divulgação

O surf inicia uma nova era - sem dúvida a mais importante em sua história - no próximo ano com a estreia nos Jogos Olímpicos de Tóquio e já é certo que o Brasil tem um nome marcado nessa trajetória. Com mais de 30 anos de palanque, o santista Marcos Bukão foi o escolhido para ser o diretor do campeonato que definirá os primeiros medalhistas olímpicos na modalidade.

O importante cargo na disputa é resultado de muita bagagem em mundiais - 46 no total, desde que a “caminhada olímpica” do surf foi iniciada, em 1996, em Huntington Beach, Califórnia/EUA, quando o Comitê Olímpico Internacional (COI) reconheceu o esporte. De lá para cá, Bukão esteve no comando de todas as competições da International Surfing Association (ISA), responsável por transformar o surf em esporte olímpico, muito pelo empenho e sonho do argentino Fernando Aguerre.

Desde que Aguerre foi eleito presidente da entidade, em 1994, Bukão é o diretor de provas em todos os mundiais e também participou do processo de elaboração do formato de disputas do surf para Tóquio. “Difícil explicar com exatidão o sentimento”, fala o dirigente sobre a emoção de ser confirmado no cargo.

 

 

 

 

 

Comentários