Entrevista exclusiva com Filipe Toledo

WSL


Filipe Toledo  talvez seja o surfista que consiga as performances mais próximas daqueles personagens de videogames que faziam manobras consideradas impossíveis na época em que foram lançados, meados dos anos 1990 e anos 2000. Leve, veloz, inovador, competidor, ele conseguiu unir a vantagem de nascer em uma família do surfe, ao seu talento e foco. Atualmente Filipe é um dos melhores surfistas do Mundo e segue se aprimorando a cada dia. Dividindo-se entre a Califórnia e o Brasil, o hoje pai de família Filipe, mostra maturidade e segurança em sua carreira e vida como um todo.

A onda surfada por ele ( video acima) em Jefreys Bay na qual conseguiu dar dois alley oops, entrou para a história e colocou o nível de performance por ali em outro patamar, para usar a palavra da moda. Na entrevista a seguir, Filipe fala sobre a relação com seu pai, a perda da vaga para os Jogos Olímpicos, suas pranchas, entre outros assuntos. Vale o drop!

Filipinho competindo em Miazaky, no Japão em 2019. Na ocasião ele sofreu uma lesão no quadril e precisou sair da competição - Foto: ISA

1 - Gerson Filho: Fale sobre a disputa pela vaga olímpica que você acabou perdendo por muito pouco por conta da lesão?
Filipe Toledo:
Eu não acho que tenha sido só pela lesão, é claro que a lesão teve um papel importante pra me atrapalhar, sem dúvida nenhuma, mas acho que também alguns erros no decorrer do ano, alguns resultados que poderiam ter sido diferentes, que teoricamente riam ajudar no sentido de conseguir a vaga para os Jogos Olímpicos.


2 - GF: Fale sobre o processo de produção do seu filme (N E V E R M E A N T F O R S T I L L N E S S)?
Filipe Toledo:
Foi bem legal, na verdade o Bruno Baroni e o Vitor tiveram a maior parte do trabalho... quem é editor, diretor, sabe como é trabalhoso esse negócio de procurar imagem, limpar imagem, montar. Claro que eu estava presente em todas as fases, pra aprovação, escolha de músicas, áudio, o que colocava, o que não colocava, onde entraria. Então foi um grande aprendizado para os próximos que, se Deus quiser, virão em breve.

Filipinho no Taiti - Foto: Bruno Baroni

3 - GF: Você sente que a imprensa tenta criar uma certa "rixa" entre você Gabriel e Ítalo?
Filipe Toledo: Eu acho que de certa forma, isso ajuda a mídia e a indústria do surfe pois traz visualizações nas redes, vendas e mais público. Dessa maneira acaba que fortalecemos e fortalecemos o esporte. Mas nós sabemos que fora da água a história é outra. Somos todos amigos, passamos pelas mesmas situações, problemas. Então se a gente ficar criando inimizade só vai trazer coisas ruíns pra todos.



4 - GF: Você chegou a um patamar em que consegue executar praticamente todas as manobras que existem atualmente. De onde você tira inspiração para continuar inovando?

Filipe Toledo: Acho que eu mesmo acabo me inspirando. Adoro extrapolar os limites e quando acho que eu chego no meu limite, eu tento inovar mais ainda pra poder estar a cada dia mais moderno, e com o repertório de manobras em dia. Mas claro, assisto vários filmes de surfe com o Mick Fanning., Gabriel (Medina), o Kelly Slater, Ítalo Ferreira,  Na questão dos aéreos gosto muito do Matt Meola, Chipa Wilson, Icaro Rodrigues.. então tem bastante gente que me inspira ainda.

O havaiano Matt Meola inspira Filipinho nos aéreos - Foto: divulgação

5 - GF: Se você pudesse voltar ao seu tempo de amador, o que você mudaria?
Filipe Toledo: Na verdade eu não mudaria nada. Talvez na questão dos treinamentos físicos, eu levaria mais a sério. Porque pensando bem, se eu tivesse começado o treinamento que iniciei há sete anos atrás, quando eu tinha sei lá uns… 15 anos, talvez não teria tido algumas lesões. Fora isso faria tudo da mesma forma.

6 - GF: Quais são as vantagens e desvantagens de trabalhar com o pai ( não sei se ele ainda é seu técnico)
Filipe Toledo:
Meu pai viajou comigo durante seis anos, e no último ano ele acabou ficando mais em casa , até porque minha mãe estava ficando muito sozinha. E pra mim também tem sido muito importante saber lidar com essa vida de Tour, sozinho, porque infelizmente pai e mãe não estarão aqui pra sempre, gostaria muito que eles estivessem…mas temos que aprender a se virar um pouco. Mas independente de ele estar viajando comigo, meu pai está sempre próximo me passando toda a sua experiência, e ele continua sendo muito importante em minha carreira.

Ricardo e Filipe Toledo. Dupla vencedora - Foto: WSL

7 - GF: Você chegou a shapear uma prancha com o auxílio de seu shaper. Isso lhe ajudou de alguma maneira a dar um retorno a a ele ( seu shaper) sobre o funcionamento de pranchas em geral?
Filipe Toledo: Cara, eu sempre gostei muito de falar sobre prancha, de aprender e absorver ao máximo. Não sei se ajudou mais no feedback, mas eu acho que fez com que eu valorizasse mais ainda o trabalho desses caras, que é uma arte. E o que o Marcio ( Marcio Zouvi shaper de Filipinho) faz das pranchas Sharp Eye mágicas.

8 - GF: Como é o processo de escolha das principais pranchas, aquelas que são usadas nas baterias?
Filipe Toledo: É bem simples. Como eu trabalho com o Márcio há mais de sete anos, hoje em dia só de sentir a prancha embaixo do braço, já sei se ela vai andar ou não. Claro que às vezes eu erro. Mas a porcentagem de acerto do Márcio é muito alta, posso dizer que de dez pranchas, uma não vai ser assim... a boa, aquela que, talvez, eu não leve para o campeonato. Mas ela vai estar comigo, e vai ser usada para um freesurf para caso quebre, não desfalque o quiver de competição. Mas cara, todas as pranchas que o Márcio faz pra mim ficam muito boas, e claro isso facilita muito meu trabalho na escolha, pois quando a gente tem essa vantagem de o shaper não errar, tudo fica mais fácil.

A Sharp Eye desenvolveu o modelo 'Holy Toledo' - Foto: WSL

9 - GF: Existe alguma prancha que não seja nova e que você guarde como uma "arma secreta" e só use em ocasiões especiais?
Filipe Toledo: Já tive isso, hoje eu não tenho mais. Teve uma prancha que eu usei em J-Bay, em 2017, ano que eu venci o evento lá pela primeira vez. Depois de Jeffreys, eu a levei para o Rio, para o Taiti, competi em Trestles logo depois de J-Bay era uma prancha realmente mágica. 

10 - GF: Quando você pegou aquela onda ( 10 unânime) em J-Bay, planejava dar aqueles dois "alley oop"? E mais, você chegou a fazer uma onda tão boa quanto aquela em sessões de freesurfe em J-Bay?
Filipe Toledo:
Eu acho que não. Ja fiz ondas incríveis em J-Bay, tão boas quanto a dos Alley-oops, mas de uma forma diferente. Essa foi uma onda especial! Quando eu a peguei, claro que eu não planejava dar dois aéreos daquela forma.  Na real o primeiro aéreo estava planejado, e depois quando eu voltei do primeiro, fui acelerando e abriu uma sessão perfeita pra dar outro aéreo, e eu pensei ‘vou ter que fazer de novo’ e eu tive que arriscar aquele segundo aéreo…deu certo! Arrisquei e deu certo pois voltei da manobra.  E sem dúvidas essa é uma das melhores ondas da minha vida, sem dúvida.

Filipinho poético e inovador em J-Bay - Foto: Van Gysen

11 - GF: Que tipo de treinamento você tem feito durante a Pandemia?
Filipe Toledo: Tenho feito de tudo um pouco. Comecei a pandemia surfando muito e fui introduzido à Ginástica Natural, em que aprendi muita coisa, com meu instrutor, Rafael Romano. A Ginástica Natural é um dos treinamentos que eu amo, sou apaixonado e acho um dos melhores treinamentos, principalmente para nós surfistas. Também treino com o Edu, coaching e claro, treino muito dentro da água, o treino mais importante.

12 - GF: Até que ponto você curte se envolver com a produção de conteúdo: vídeos, edições, etc...
Filipe Toledo: Eu gosto, eu amo poder fazer parte porque é minha imagem. Quando a gente está trabalhando em cima de um video,  eu e o Bruno Baroni da minha equipe, mantemos contato diariamente para sair da melhor forma. É o trabalho dele e ele sabe o que fazer, mas eu vou dando meus pitacos ali como se eu soubesse alguma coisa (rs)… E é claro, estando ali ao lado do Baroni, vou aprendendo e a gente vai melhorando o meu trabalho a minha visão.

Filipe pratica GInástica Natural - Foto: reprodução Instagram

13 - GF: O que podemos esperar de Filipe Toledo no CT 2021 ( caso ele ocorra...rs)
Filipe Toledo: O melhor de mim, minha melhor versão. Vou com tudo, vou dar meu máximo, pra cima e brigar pelo título mais uma vez! E se Deus quiser levantar essa taça tão sonhada.

14 - GF: Com relação às ondas mais pesadas, você têm conseguido treinar nessas condições?
Filipe Toledo: Sim, todas as vezes que eu viajo, tenho essa oportunidade.  Então cada vez mais eu evoluo nesse sentido, me jogo mais, ganho mais experiência, aprendo mais. Tenho treinado bastante, fora da água, dentro da água, em todas as condições para poder estar cem porcento preparado.

Toledo em The Box - Foto: WSL

15 - GF: Deixe uma mensagem para os leitores do Ricosurf.com
Filipe Toledo: Queria dizer para a galera que acessa o Ricosurf.com obrigado pela torcida e vamo que vamo! Esse ano vai dar Brasil de novo. Valeu!

Comentários