Floripa Foil Festival 2021 apresenta a vanguarda da vela em Jurerê Internacional

FOIL/KITE


 

 Hydrofoil

A vanguarda da vela será apresentada no Floripa Foil Festival 2021, entre os dias 30 de outubro a 2 de novembro, em Jurerê Internacional, em Florianópolis. Cinco classes participam do evento, e três delas revelam o que há de mais moderno no mundo da vela e do kite: o foil ou hydrofoil. Com essa estrutura hidrodinâmica de alta tecnologia acoplada nas pranchas, os competidores de Windsurf, e Kite e Wing vão literalmente flutuar sobre as águas da raia montada em frente ao Jurerê Beach Village, hotel oficial do Floripa Foil Festival 2021.

O projetista e designer da ISSO, Pablo Furlan, explica o que é o hydrofoil. "É uma estrutura formada por quatro partes: um mastro de 95 centímetros a um metro de comprimento, uma fuselagem, que fica presa ao mastro, uma asa dianteira e um estabilizador, ambos com variações de tamanho. Quanto menor a asa, mais rápido será o foil e mais díficil de andar. Quanto maior a asa, mais lento será o foil e mais fácil de andar", explica. A estrutura funciona como um avião dentro da água, e o perfil da asa que proporciona o lift, o efeito que faz a prancha ficar suspensa sobre a água.

A tecnologia não é tão nova. Os americanos já utilizavam em skis em meados da década de 1960, e os primeiros protótipos para Windsurfe começaram a ser desenvolvidos em 1974, na Holanda. Porém, foi apenas com a evolução do material que o foil caiu no gosto dos praticantes. "Conseguimos desenvolver melhor, com maior fluidez, graças as propriedades mecânicas dos materiais que agora estão disponíveis, como a fibra de carbono. Antigamente o que se tinha era madeira ou alumínio. É a ciência da Fórmula 1", conta Furlan, para atestar a modernidade da tecnologia empregada com os materiais.

Pablo Furlan - Foto: divulgação

História

Os hydrofoils têm sido usados ​​em diferentes tipos de barcos há mais de 100 anos. A primeira pessoa que projetou e construiu um hydrofoil foi o italiano Enrico Forlanini, em 1906. Para seu hydrofoil, Forlanini utilizou um sistema de quatro grupos de asas paralelas (um par na proa e um par no stert) de largura decrescente, ao contrário as asas de hydrofoil usadas atualmente.

O projeto de Forlanini foi retomado e melhorado por vários outros inventores nas décadas seguintes (em particular Alexander Graham Bell e Casey Baldwin), até que por volta dos anos de 1950 o mundo começou a investir maciçamente em barcos usando quilhas de hydrofoil, tanto para uso militar quanto comercial.

O boom foi alcançado nas décadas de 1960 e 1970, mas desde então seu uso em barcos a motor diminuiu gradualmente, devido a vários problemas: custos de construção e manutenção, e questões de segurança e meio ambiente. Os materiais dos hydrofoils eram na verdade metálicos, os mesmos usados ​​para a estrutura do barco. Os mesmos problemas ocorreram com os projetos de hydrofoils usados ​​nas modalidades de vela, que começaram a ser desenvolvidos na década de 1960, mas logo foram abandonados.

Os investimentos nessa tecnologia foram retomados a partir dos anos 2000, principalmente porque a fibra de carbono possibilitou a produção de estruturas extremamente leves e resistentes, e diferentes pesquisas foram reiniciadas para identificar a melhor forma e estrutura para cada casco e vento. O interesse na tecnologia do hydrofoil ganhou força na mídia graças a América's Cup de 2010. A aplicação do hydrofoil no kitesurf data também dos anos 2000.

PROGRAMAÇÃO:

30/10/2021 - Primeiro dia de competições
Recepção dos atletas - 9h às 10h
Reunião de comandantes - 10h à 10h30min
Regatas e WASZP Demo - 11h às 16h

31/10/2021 - Segunda dia de competições
Regatas e WASZP DEMO - 11h às 16h

01/11/2021 - Terceiro dia de competições
Regatas e WASZP DEMO - 11h às 16h

02/11/2020 - Quarto e último dia de competições
Regatas e WASZP DEMO - 11h às 16h
Coquetel de premiação - 18h

Comentários