Saquarema Surf Festival: Phil Rajzman fala sobre suas expectativas

O longboarder Phil Rajzman, atualmente morando em Búzios, conversou com nosso editor sobre seu momento atual


Phil Rajzman levanta o caneco de campeão Sul-americano de 2017 ao lado de Atalanta Batista -  Foto: WSL

Conversamos com Pihil Rajzman bicampeão mundial de Longboard ( 2007 e 2016) sobre seu atual momento. Atualmente morando em Búzios, ele produz suas pranchas, pega altas ondas na Região dos Lagos, e já está se preparando para o Saquarema Surf Festival. Na entrevista Phil fala sobre sua relação com Saquarema, cidade na qual compete há mais de vinte anos, sua rotina de treinamentos, pranchas, entre outros assuntos. Vale o drop!

Gerson Filho: Como tem sido sua preparação para o Saquarema Surf Festival?
Phil Rajzman: Passamos esse período um pouco mais restritivo da Pandemia e antes dessa fase eu estava bem focado no terceiro título Mundial, mas ai houve problemas com meu visto e acabou que perdi a etapa da piscina ( etapa realizada em 29 de setembro no Surf Ranch em setembro que teve a havaiana Honolua Blomfield e o francês Edouard Delpero conquistando os títulos ) e não tive a oportunidade de competir em Malibu ( evento vencido por Joel Tudor que tornou-se tricampeão mundial e Honolua Blomfield, bicampã mundial, finalizado em 13 outubro ) antes da bateria. Meu primeiro surfe em Malibu foi, literalmente, na bateria. Mas eu estava me preparando muito para esses dois eventos, ao mesmo tempo sabendo que haveria o retorno das competições no Brasil. Estou morando atualmente em Búzios e tenho feito muitos treinos na Região dos Lagos, que é uma região privilegiada, com muitas ondas boas. São mais de trezentas ondas em menos de duas horas de carro, e Saquarema está no meu radar, fica a cerca de uma hora da minha casa. Eu estava acostumado a às vezes demorar esse tempo para ir da Barra da Tijuca à Prainha. Então tem sido bem tranquilo, tenho surfado bastante em Saquarema e feito uma preparação física com o Eduardo Viana, que é de Niterói, e por conta disso fazemos essa preparação on line, processo que posso dizer que foi "facilitado" por conta da Pandemia.

Phil desfilando classe nos critérios novos da WSL em Taiwan - Foto: divulgação

Gerson Filho: Quais são suas expectativas com relação ao Saquarema Surf Festival?
Phil Rajzman: Expectativas. Finalmente teremos um evento internacional no Brasil, que reunirá grandes nomes do esporte de uma maneira geral: Pro-Junior, Longboard e QS, ou seja uma demonstração do surfe mais atual, com o surfe do futuro. Acho isso muito importante porque eu sempre vejo uma competição como uma forma de me inspirar e perceber evoluções de equipamentos, de manobras, critérios de julgamento. E por conta disso, tenho certeza que será uma excelente oportunidade para os brasileiros, principalmente da nova geração, se prepararem cada vez mais para o Circuito Mundial. Temos uma nova geração do longboard que está arrebentando e o fato de o evento ter uma premiação igual para homens e mulheres é muito importante para o esporte também. As expectativas são as melhores possíveis, pois eu amo Saquarema, competi várias vezes nas ondas de l

Phil se concentra para mais uma bateria - Foto: divulgação

Gerson Filho: Como você se sente competindo em um evento em memória ao Léo Neves?
Phil Rajzman: Bom o Léo Neves sempre foi uma inspiração para mim. Ele competia em uma categoria acima da minha quando eu disputava campeonatos amadores de pranchinha. Eu pude acompanhar a carreira dele inteira, que sempre foi um atleta progressivo, e estava até à frente do seu tempo em termos de manobras: o pessoal fazia um surfe mais de linha e o Leo já invertia as manobras e fazia várias manobras progressivas. Ele sempre foi um cara muito robusto e com força nas manobras e que surfava com muita pressão até em ondas pequenas. O Léo tinha uma capacidade incrível de gerar energia e fazer um power surfe mesmo nas merrecas. 

Phil em um hang ten ao melhor estilo clássico - Foto: Guilherme Rocha

Gerson Filho: Você curte ondas com mais "power", competir em Saquarema é uma vantagem em sua opinião?
Phil Rajzman:
Bom eu sou um cara pesado, tenho cerca de 90 e poucos quilos, e com certeza quando a onda é mais pesada e power como Saquarema, levo uma certa vantagem em relação aos atletas mais leves, não que um cara leve não possa surfar bem ondas grandes. Então podemos dizer que nesse aspecto é uma vantagem pra mim sim, pois tenho experiência naquela onda. Antigamente haviam circuitos amadores muito fortes - tanto nacionais quanto estaduais - e tínhamos pelo menos um evento por mês rolando em Saquá e quando eu estou competindo em Itaúna, rola uma nostalgia, tenho essas recordações de infância, adolescência, de muitas ondas boas. Além da minha experiência na água, considero uma vantagem estar com minha família e estarei preparado para dar o meu máximo, e espero que a natureza mande as ondas boas, as ondas certas. E dentro do critério de julgamento atual, que a gente sabe privilegia o surfe clássico, pretendo encaixar meu surfe e minhas pranchas, que estou desenvolvendo há dois anos. As pranchas estão no pé, e está tudo alinhado para mostrar o meu melhor no Saquarema Surf Festival.

Phil preparando para um tubo - Foto: www.philrajzman.com.br / Bidu

Gerson Filho: Se você pudesse escolher as condições nas quais você irá competir no evento, como seriam?
Phil Rajzman: Com certeza um dia sem vento, ou um terralzinho batendo, com ondas grandes abrindo perfeito: temos aquela valinha colada na pedra, que quando está alinhada rola umas direitas perfeitas. Eu gosto muito de surfar esquerdas como as que quebram lá fora na Laje de Itaúna também. Mas eu gosto de surfar ondas boas, seja para qual lado for, inclusive tenho dois títulos mundiais o primeiro, em 2007, foi surfando direitas, de frontside, e o segundo, em 2016, eu estava surfando de backside. Acho que o mais importante é não termos ventos que atrapalhem a formação das ondas, principalmente quando se fala em surfe clássico; e se vierem ondas maiores e mais pesadas, eu estarei mais à vontade. Porém, estou preparado para o que der e vier, tenho treinado bastante nas marolas e sinceramente tenho curtido o surfe clássico nas ondas pequenas. Tem sido algo novo pra mim. Desde 2013, quando a WSL ( World Surf League) decidiu mudar o critério de julgamento, eu renovei essa minha fissura pelo surfe e voltei a ser criança novamente. Tem sido muito divertido essas oportunidades de você se reinventar, aprender novas manobras, surfar com pranchas difentes, com novas tecnologias e tudo isso me deu uma motivação a mais de continuar vivendo cada vez mais esse life style do surfe; e acreditanto naquela filosofia de Duke Kahanamoku ( pai do surfe) que diz que o melhor surfista é o que se diverte mais. E acredito que isso de uma certa forma, traz de alguma maneira bons resultados independente das condições em que você está competindo.

Phil com seus moldelos de prancha - Foto: divulgação

Gerson Filho: Existe algum sabor especial pelo fato de o evento ser inspirado nos lendários Festivais de Surfe que entraram para a História do esporte?
Phil Rajzman:
  Com certeza! Eu me lembro de competir em Saquarema, lógico não deve chegar aos pés dos eventos dos anos 1970, mas eu me lembro dos eventos com shows ao vivo na praia e aquele clima de confraternização. Acho que essa é a verdadeira vibe do esporte, o contato com a natureza, a atmosfera leve. E o surfe tem essa filosofia, é um estilo de vida. Quando temos um festival com essa magnitude, não podemos esquecer da questão da preservação do meio ambiente por nós surfistas. Dentro da água é muito comum pequenas ações de surfistas como pegar um plástico boiando e jogar na lixeira, catar um lixo na areia, e eu acho que essa confraternização, esse festival, vai potencializar ainda mais esse espírito do surfe e trazer um legado maravilhoso para a cidade. Temos a etapa do CT acontecendo em Saquarema, sempre com um público recorde, e dessa vez apresentaremos os surfistas mais jovens da categoria Pro-Junior, longboarders, além dos aspirantes às vagas no CT, alguns deles que veremos em breve na primeira divisão, estaremos ali revivendo essa história do surfe.

Rico de Souza e Phil parceria de longa data - Foto: divulgação

Gerson Filho: Você tem alguma recordação especial de Saquarema?
Phil Rajzman: Tenho muitas recordações especiais de Saquarema. Lá foi meu primeiro evento em que competi de longboard. No caso fui competir no Campeonato Brasileiro das Escolas de Surfe, e eu estava lá junto com o Rico de Souza, representando a escola dele nas categorias de base. Tinha uma vaga na categoria Longboard e o Rico botou pilha para eu competir e eu acabei me dando bem no campeonato. Fiz a  final junto com Rico, Carlos Mudinho, Vitorino James e a lenda de Saquarema Jeremias "Mica" da Silva, que na época eram os grandes representantes brasileiros no Circuito Mundial de Longboard. Então esse evento foi o que realmente abriu meus olhos para a oportunidade de competir de longboard, e a partir dali eu comecei a competir nos eventos nas categorias de base e também de longboard, e no ano seguinte já iniciei a minha carreira no Circuito Mundial, competindo em Makaha, no Havaí, 2007, mais uma vez inspirado pelo Rico. Então com certeza Saquarema faz parte da minha história.

Phil Rajzman se adaptou bem ao surfe clássico no circuito - Foto: Guilherme Rocha 

Gerson Filho: Já sabe qual quiver irá levar para o Festival?
Phil Rajzman:
Tenho três pranchas no meu radar. Desenvolvi alguns equipamentos e dessas três pranchas, duas são para o surfe clássico: a "Yellow Monkey" e a "Blue Monkey" - e tenho uma "Red Monkey", minha queridinha com a qual fui campeão mundial em 2016 e que eu venho desenvolvendo desde 2007. Essa é uma prancha híbrida, funciona tanto no estilo clássico quanto no progressivo, e caso o mar esteja muito grande, com certeza será a prancha com a qual irei competir, mas se o mar estiver mediano a pequeno, com certeza optarei pelas pranchas mais clássicas.

Phil ergue o troféu de campeão mundial em 2016 - Foto: divulgação

Gerson Filho: Deixe uma mensagem para a galera que pretende comparecer ao evento:
Phil Rajzman:
 Acredito que a galera vai presenciar um show de surfe, vai ver o que a gente tem de melhor na atualidade e pro futuro com as novas gerações arrebentando! Veremos manobras futurísticas e vamos nos preocupar  a questão da preservação do Meio Ambiente. Estaremos visitando uma cidade e é sempre importante passar coisas positivas, lembrar de jogar lixo no lixo, deixar na areia só as pegadas e será um prazer estar em Saquarema! A gente se vê em breve. Aloha!

 Confira vídeo de Phil Razman e Chloé Calmon competidores da categoria Longboard Pro convidando todos para o Saquarema Surf Festival

 

CONFIRA MAIS NOTICIAS SOBRE O FESTIVAL:

Saquarema Surf Festival já atinge 247 inscritos nas seis competições

Saquarema Surf Festival: Renan Pulga fala sobre suas expectativas

Confira o resultado das triagens para o Saquarema Surf Festival

213 Sports e WSL Latin America realizam o Saquarema Surf Festival

Comentários