Léo Casal é um dos destaques na abertura do Hang Loose Surf Attack

Jovem surfista chega com favoritismo à etapa


Leo Casal - Foto: divulgação

Em grande fase e vindo de resultados importantes como as vitórias no WSL Pro Júnior no Chile e no CBSurf Júnior Tour, na Bahia, o catarinense Léo Casal é um dos destaques na abertura do Hang Loose Surf Attack. O mais tradicional campeonato de base do País terá início nos dias 28 a 30 deste mês, na Praia de Maresias, em São Sebastião/SP, e apesar de ser válido pelo ranking paulista, atletas de vários estados participam.

Os catarinenses já têm uma relação antiga com o evento, desde os anos 90 e Léo Casal aparece como mais um nome de ponta. O surfista que completou 15 anos nesta segunda-feira (17), sabe da relevância do Hang Loose Surf Attack, citando nomes como Gabriel Medina, Adriano de Souza e Filipe Toledo, entre outros, que já conquistaram títulos nessa disputa quando iniciavam suas carreiras, e também quer prestigiar seu patrocinador, a Hang Loose.

Leo Casal. Foto: divulgação.

“Esse campeonato tem uma importância muito grande na minha carreira, pois é altamente competitivo, pode onde já passaram vários atletas que estão e estiveram no Championship Tour. Além disso, é meu patrocinador principal e me sinto como se estivesse em casa”, comenta o atleta, deixando de lado uma possível pressão por competir no evento do patrocinador. “Apenas tenho a responsabilidade de representar da melhor forma possível uma das marcas mais tradicionais do surf brasileiro e mundial”, ressalta.

Além do Hang Loose Surf Attack, Léo tem dois grandes objetivos em 2019, as etapas do Pro Júnior da WSL South America, querendo seu lugar no Mundial da categoria, e o título do Circuito da Confederação Brasileira de Surf, visando vaga para o ISA World Junior Championship, na Califórnia. Começou muito bem, com vitória no Pro Júnior em Iquique, no Chile, em maio, e agora com o primeiro lugar na sub16 e o segundo - por uma diferença mínima de 0,15 ponto – na sub18 no CBSurf Júnior Tour, em Itacaré, na Bahia. “Também fui 17º colocado no QS 3000 de El Gringo (Chile)”, complementa.

Lucas atcando a junção - Foto: divulgação.

Ele considera os meses que viveu na Austrália, no ano passado, como um divisor de águas para sua evolução. “Nossa, foi uma experiência e tanto. O Marco Polo, que é ex-atleta do CT, nos passou essa visão, o Paulo Kid concordou com a ideia e a Hang Loose não mediu esforços para nos proporcionar a logística”, conta. “Ajudou a desenvolver meu surf em point breaks, como Snappers, Currumbin Lennox Head e Bells. E também teve a viagem para Mentawaii para completar”, complementa.

Para a etapa inicial em Maresias, Léo fica mais do que à vontade. Além de chegar em grande fase e de se sentir em casa, classifica a onda da badalada praia paulista como uma das três prediletas. “Gostaria de morar”, confessa rindo, lembrando seu melhor momento até hoje no Hang Loose Surf Attack. “Foi a vitória em Itamambuca, Ubatuba”, revela.

O Hang Loose Surf Attack 2019 conta com seis categorias em ação: júnior (sub18), mirim (sub16), iniciante (sub14), estreante (sub12), petit (sub10) e a feminina (sub16). Junto com o surf, o evento realiza várias ações para os jovens talentos, com jogos, gincanas, brincadeiras e sorteios. No total, serão quatro etapas, com Ubatuba sendo a próxima parada, nos dias 19 a 21 de julho. Na sequência, Guarujá, de 20 a 22 de setembro, e a final, em local a ser definido, de 25 a 27 de outubro.

O Hang Loose Surf Attack 2019 tem os patrocínios de Sthill, Super Tubes, Surf Trip, Kyw, Overboard Action Sports Store, Hot Water, Rhyno Foam e CT Wax. Apoios da Prefeitura de São Sebastião, Associação de Surf de São Sebastião (ASSS), Associação de Surf de Maresias (ASM), Governo do Estado de São Paulo/Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude, com divulgação de Waves e FMA Notícias. Organização da Federação Paulista de Surf.

Comentários