Museu do Surfe de Santos: Gabaldón, o primeiro surfista afro-americano


 

Gabaldón - Foto: arquivo

Nicolás Rolando Gabaldón nasceu em 23 de fevereiro de 1927, em Los Angeles, Califórnia. Filho de mãe afrodescendente e de pai latino, Gabáldon conviveu num período de forte segregação racial nos Estados Unidos.Foi na cidade litorânea de Santa Mônica que Gabaldón passou a maior parte da sua vida. Na década de 1940 brancos e pretos eram separados na areia da praia. A área destinada à comunidade negra era conhecida como “Inkwell Beach” e foi lá, naquela minúscula faixa de 60 metros de praia, que Nick Gabaldón aprendeu sozinho a surfar, tornando-se assim o primeiro surfista afro-americano da história oficial.

Gabaldón era aceito por outros surfistas - Foto: arquivo

Aos poucos, Gabaldón passou a extrapolar os limites da intolerância humana ao remar de braçadas por 19 quilômetros até a vizinha Malibu, naquela época, o centro irradiador do surfe nas Américas. Naquele espaço onde a cultura livre do surfe se disseminava, Gabaldón era aceito e respeitado pelos surfistas. Entre eles, estava Rick Grigg, um jovem surfista que admirava o estilo e a coragem de Gabaldón.No fatídico dia 5 de junho de 1951, Gabaldón remou aquelas 12 milhas para sair da vida e entrar para a história. Um forte swell chegu à Costa Oeste americana e Gabaldón decidiu sufar aquela mítica direita do condado de Los Angeles.Depois de pegar uma onda grande e longa, Gabaldón avançou sobre o Pier de Malibu.

Gabaldón retrato - Foto: arquivo

Sua prancha foi encontrada imediatamente, mas seu corpo só apareceu dias depois na vizinha Praia de Las Flores. O legista atestou morte por afogamento. Ele tinha apenas 24 anos.Seis dias antes da sua morte, Gabaldón tinha enviado um poema chamado “Lost Lives” para a revista literária do Santa Mônica City College, onde era estudante na época. O poema incluía os seguintes versos:O mar vingativo, com ondas tão altasPara os homens batalharem e ainda morrerem. Muitos já foram para as entranhas;Sem consideração, ele concede Seus louros a homens incautos.Pontuações e pontuações tornaram-se presas da animosidade;E muitas mais serão vítimasDo mar caprichoso e vingativo.

Tandem com Gabaldón

Uma placa na praia de Santa Mônica com os dizeres “Um lugar de festa e dor” foi erguida em sua homenagem. O espaço passou a ser simbólico para a comunidade negra. Alguns anos depois, a cidade de Santa Mônica e a Heal the Bay, uma organização sem fins lucrativos, homenagearam Gabaldón por seu pioneirismo no surfe e nas relações raciais, instituindo um fim de semana comemorativo que é lembrado todos os anos na data de sua morte. A história de Gabaldón inspirou a produção do documentário “12 Miles North: The Nick Gabaldon Story” em parceria com a Nike Surfing. Apesar da sua morte prematura, o surfista progressista Nick Gabaldón ajudou a estabelecer as bases para as futuras gerações de surfistas com diversidade racial.


Equipe do Museu do Surfe
@santoscidade
@museudosurfedesantos
@gabriel_pierin
@gersonluizsurf
@diniziozzi
@professor_nene
@alessandrofrancosimoes3
@associacaosantossurf

Comentários