Vídeo WSL Finals: Medina é Tricampeão Mundial

WSL FINALS


Gabriel Medina tornou-se tricampeão mundial de surfe, ao vencer o WSL Finals, realizado nesta  terça-feira, 14/9, em Trestles na Califórnia. Para garantir o título Medina enfrentou Filipe Toledo e o venceu duas vezes, em uma final no formato "melhor de três". Com a vitória o brasielrio tornou-se o primeiro goofy footer a tornar-se tricampeão mundial, além de igualar o feito de ícones do esporte como Tom Curren (EUA), Andy Irons (HAV) e Mick Fanning (AUS). Esse foi o quinto título mundial nos últimos sete anos.

Filipe conseguiu o vice campeonato mundial 

Na primeira bateria da final, Toledo começou devagar, pegando uma esquerda, e caindo. Na sequência Medina pega uma direita, dá um floater longo, emendando com uma boa batida, nota 5.0. Filipinho responde com uma onda um pouco cheia no início, mas que aumenta à medida que ele vai surfando. Filipe consegue emplacar boas manobras de borda, finalizando com uma bela rasgada muito forte o que lhe valeu 7.0. Em seguida Gabriel pega uma intermediária e dá suas tradicionais pauladas, mesclando funcionalidade e potência, nota 7.30. Depois Filipe pega uma esquerda e detona com muita velocidade fazendo quatro manobras radicais, contudo, sem inovação, nota 8.33. Gabriel mostra a que veio e com um aéreo single grab, muito alto, emplaca 9.0 fazendo 1x0 na melhor de três.

Medina voando alto - Foto: WSL

Segunda bateria da final masculina já começa pegando fogo com Filipinho destruindo uma direita, ao melhor estilo Toledo. Apesar de a finalização não ter sido completa, o estrago já estava feito com 7.83. Gabriel, que não é de esperar muito, marca 6.33. Sem esperar muito novamente, Medinal rema embaixo de Filipe, e sem prioridade, pega uma esquerda na qual executa dois aéreos, resultado: 8.50. Nesse momento, com cerca de 18 minutos de bateria, uma ameaça de tubarão paralisou a disputa. 

E parece que a paralisação da bateria fez bem a Medina, que voltou executando nada mais nada menos que um backflip, nota 9.03. Na sequência Filipinho esmerilha uma direita e consegue 8.53. A bateria segue e Medina ainda pega uma boa esquerda que lhe rende um 7.0. Já bem no final da bateria, Filipinho não desiste e surfa uma direita em que pontua 6.50. Faltando cerca de trinta segundos para o final, Toledo dá os parabéns ao compatriota pelo título.

Ítalo Ferreira chegou em segundo às finais - Foto: WSL

"Eu estou muito feliz e hoje consegui um sonho. Todo sonho parece impossível, mas consegui. Toda honra e glória a Deus. A ideia é trabalhar duro e ter muita pressão e deixar o surfe falar mais alto. Não sou muito bom em falar, mas vou me lembrar pelo resto da minha vida, pois sonhava com isso desde criança", disse o tricampeão, completando:

"Conquistei o meu maior objetivo no surfe. Estou chorando agora porque é um mix de emoções. Estou feliz, emocionado. Sou feliz de fazer parte de time (brasileiro). Eles me puxam e eu puxo o nível deles", finalizou emocionado Medina.

Carissa e Medina co Erik Logan, CEO da WSL

FEMININO

Na final feminina, a primeira bateria foi vencida pela brasileira Tatiana Weston-Webb, que soube aproveitar muito bem seu ponto forte: o surfe de backside. Tatiana venceu Carissa Moore, com o bom placar de 15.20 a 14.06. A brasileira conseguiu fazer um surfe bem regular, se aproveitando de um "apagão" de Moore, que teve algumas oportunidades de marcar notas altas, mas errou em momentos cruciais.

Carissa Moore - Foto: WSL

Já na segunda bateria, Moore começou dando as cartas emplacando 8.93 em uma direita muito bem surfada. Tatiana optou por não marcar a adversária e por conta disso perdeu um pouco o ritmo da bateria, passando a correr atrás da virada durante toda a disputa. Em sua segunda onda, a havaiana marcou 7.67, deixando a brasileira precisando de uma combinação de ondas para virar. No meio da bateria Tati pega uma boa direita que a coloca de volta no jogo com 7.93 resultado de três pauladas de backside. Mas Carissa consegue pegar outra boa onda na qual marca 8.33, deixando a brasileira precisando de um oito alto. A onda vem e Tati marca 7.60, nota insuficiente para vencer. Resultado final: 17.26 a 15.60.

Tatiana Weston-Webb ficou com o vice-campeonato mundial de 2021 - Foto: WSL

A terceira bateria da melhor de três entre as mulheres começou morna. A primeira a surfar foi Tatiana que marcou 0.50. Carissa veio na sequência com um 3.0. A primeira nota a entrar no somatório da havaiana foi um 7,0, já a brasileira conseguiu um ótimo 8.83. Em resposta Moore surfou uma boa direita na qual conseguiu imprimir sua linha impecável, arrancando 8.0 dos juízes. Em resposta Tati deu boas batidas e rasgadas de backside que lhe valeram 8.03. Mas Carissa estava inspirada e logo na sequência marcou 8.60, deixando a brasileira em uma situação bem difícil na bateria. Faltando poucos minutos para o final, Tati ainda conseguiu uma boa direita e começou executando boas manobras, porém, errou na leitura da onda em sua metade, e no final caiu na finalização na junção. Resultado: Carissa Moore pentacampeã mundial com o placar de 16.60 a 14.20.

Medina agora tricampeão mundial!! Viva o Surfe Brasileiro!! 

Esse foi um ano incrível para o surfe brasileiro. Além do título de Gabriel, emplacamos a primeira Medalha de Ouro do surfe nos Jogos Olímpicos, além de termos conseguido emplacar três dos cinco finalistas no WSL Finals. Parabéns ao nosso Brazilian Storm!

DECISÃO DO TÍTULO MASCULINO:
Campeão: Gabriel Medina (BRA) com 17,53 pontos – notas 9,03+8,50
Vice-campeão: Filipe Toledo (BRA) com 16,36 pontos – notas 8,53+7,83
1.a decisão: Gabriel Medina (BRA) 16,30 x 15,70 Filipe Toledo (BRA)

3.a bateria: Filipe Toledo (BRA) 15,97 x 12,44 Italo Ferreira (BRA)
2.a bateria: Filipe Toledo (BRA) 16,57 x 14,33 Conner Coffin (EUA)
1.a bateria: Conner Coffin (EUA) 15,00 x 9,84 Morgan Cibilic (AUS)

DECISÃO DO TÍTULO FEMININO:
Campeã: Carissa Moore (HAV) por 16,60 pontos – notas 8,60+8,00
Vice-campeã: Tatiana Weston-Webb (BRA) com 14,20 pontos – 8,03+6,17
2.a decisão: Carissa Moore (HAV) 17,26 x 15,60 Tatiana Weston-Webb (BRA)
1.a decisão: Tatiana Weston-Webb (BRA) 15,20 x 14,06 Carissa Moore (HAV)

3.a bateria: Tatiana Weston-Webb (BRA) 13.17 x 11.73 Sally Fitzgibbons (AUS)
2.a bateria: Sally Fitzgibbons (AUS) 11.33 x 6.66 Johanne Defay (FRA)
1.a bateria: Johanne Defay (FRA) 12.17 x 6.70 Stephanie Gilmore (AUS)

 

 

Comentários